Moda para integrar

“Há 15 anos, acompanho de perto as dificuldades na rotina de um deficiente físico. Na carreira de fisioterapeuta, já atendi pessoas com as mais diversas limitações em hospitais, casas de repouso e ONGs.

“Quando se fala em garantir conforto e direitos a quem tem deficiência, aprendi que se deve pensar da maneira mais abrangente possível. Atender às suas necessidades não se restringe a construir rampas para cadeirantes.

“A inclusão depende de um conjunto de ações para essas pessoas se sentirem, de fato, integradas. Isso significa, além de acessibilidade e tratamentos adequados, possibilitar que elas façam as próprias escolhas: aonde ir, quando ir e, por que não, com qual roupa ir.

“Por ser tão importante e presente em nosso dia a dia, a moda deve ser democratizada e humanizada. No caso de deficientes físicos e pessoas com mobilidade reduzida, é preciso observar aspectos como a ergonomia, mobilidade e a funcionalidade das peças.

“Em 2011, comecei a pensar em moda inclusiva, também chamada de adaptada. Projetei um modelo de calça jeans com aberturas estratégicas e fechos em velcro e, em meados daquele ano, abrimos a loja virtual Lado B Moda Inclusiva. Hoje, a coleção inclui ainda bermudas e camisetas, além dos recém-lançados manequins e de uma linha de etiquetas em braile que podem ser usadas por outras marcas.

“Estamos investindo em pesquisas e protótipos desde desde o lançamento da marca e ainda não obtivemos todo o retorno financeiro. Para o futuro, penso em uma parceria com alguma loja de departamentos, por exemplo, e com um espaço de show room acessível e com atendimento especializado.

“Mas a maior gratificação por esse trabalho costuma chegar por telefone ou e-mail. É maravilhoso ouvir um agradecimento de quem há muito tempo não sabia o que era usar uma roupa confortável e adaptada às suas necessidades mais básicas. Facilitar a rotina dessas pessoas e de seus cuidadoras significa promover a qualidade de vida.”

Fonte: NATURA

Retrato Inclusivo: Marinalva Almeida e Thiago Cenjor

Adaptações em vestuário proporcionam sensação de liberdade, concretizando independência e autoestima”. – Kica de Castro

Locação: Florianópolis

Modelos: Marinalva de Almeida e Thiago Cenjor

Foto: Kica de Castro

Marca: Lado B Moda Inclusiva

 Fonte: Revista Tendência Inclusiva

Conhece a Lado B Moda Inclusiva? www.ladobmodainclusiva.com.br

Retrato Inclusivo: Paula Ferrari

“O que esta na moda é tudo aquilo que já saiu de moda.” – Kica de Castro

Modelo: Paula Ferrari
Make UP: Andre Lima
Foto: Kica de Castro
Lado B Moda Inclusiva

Essa sessão fotográfica foi para marca Lado B Moda Inclusiva e fez parte do vídeo Paulistano Nota 10 (Veja São Paulo).

Fonte: Revista Tendência Inclusiva

Conhece a Lado B Moda Inclusiva? www.ladobmodainclusiva.com.br

7ª edição do Concurso Moda Inclusiva®

Já estão abertas as inscrições para a 7ª edição do Concurso Moda Inclusiva®. Podem participar  estudantes de cursos técnicos, universitários, alunos de cursos livres e profissionais da área não  só do Brasil, mas de todo o mundo. Com objetivo de produzir looks para pessoas com deficiência, o  concurso é uma iniciativa da Secretaria de Estado dos Direitos da Pessoa com Deficiência e  receberá inscrições até o dia 31 de Julho (até 23h59).

As inscrições deverão ser feitas aqui no site onde também podem ser encontradas mais  informações a respeito do evento.  O Concurso Moda Inclusiva® continua a convidar participantes  internacionais a fim de compartilhar soluções inovadoras que podem contribuir no bem estar e na  qualidade de vida das pessoas com deficiência, além de trazer novos conceitos à moda.

Os 20 melhores trabalhos inscritos serão apoiados com tecido da Vicunha Têxtil para a confecção  das roupas e participarão do desfile final em um grande evento em Novembro, na capital paulista.  As três melhores colocações serão premiadas.

Para mais informações consulte o regulamento. 

Ou entre em contato pelo email: minclusiva@sedpcd.sp.gov.br

Fonte: Secretaria de Estado dos Direitos da Pessoa com Deficiência

Modelos com deficiência física desfilam na passarela da New York Fashion Week

A New York Fashion Week está fazendo um papel importante no trabalho de divulgação da inclusão social de deficientes físicos. Neste final de semana, um grupo de modelos portadores de alguma deficiência desfilou no show Made in Italy, organizado por estilistas italianos.

O personal trainer e modelo Jack Eyers se tornou o primeiro homem com uma perna amputada a desfilar na passarela do evento, considerado um dos mais importantes para a indústria da moda mundial.

Na sexta-feira, 13, a atriz Jamie Brewer, de American Horror Story, já tinha feito história ao se tornar a primeira mulher com síndrome de down desfilando na New York Fashion Week.

Fonte: Caras

Pesquisadores desenvolvem tecido para diagnosticar doenças

Pesquisadores da Universidade Rovira i Virgili (URV) de Tarragona, na Espanha desenvolveram um tecido inteligente que diagnostica o estado de saúde das pessoas. As fibras têxteis foram transformadas em detectores de substâncias químicas que fornecem dados sobre o estado de saúde do paciente.

O tecido é banhado em uma tintura de nanotubos de carbono que detecta as substâncias químicas presentes nos fluidos corporais, como suor e urina, e as transforam em sinais elétricos enviados para um computador para que sejam interpretados por um médico ou até pelo próprio usuário. Além de aplicações médicas, esse tecido pode ser usado para fins esportivos, para detectar as condições físicas do atleta.

Fonte: Amni

Evento encerra o projeto Corpo e Moda – o corpo da moda é o seu

Em 11 de dezembro, o Senac Lapa Faustolo foi palco do evento de encerramento do projeto Corpo e Moda – o corpo da moda é o seu, que abordou a carência de roupas no mercado que atendam às necessidades e desejos de pessoas com deficiência física.

Como forma de contribuir com essa discussão, entre outros objetivos, algumas turmas de cursos das áreas de moda, beleza e fotografia do Senac criaram uma coleção especialmente para os funcionários com deficiência física das unidades da instituição na capital.

“Considero o projeto inovador. Cada vez mais vemos que as portas estão abertas para o consumidor com alguma deficiência física”, afirma Pedro Paulo Zogbi, funcionário do Senac Consolação.

O evento contou com a presença de aproximadamente 150 pessoas, que puderam conhecer as peças desenvolvidas em um desfile estrelado pelos próprios funcionários participantes, simultaneamente a uma exposição de fotos produzidas durante a elaboração do projeto.

Com início em março, o projeto envolveu as turmas dos cursos: Desenhista de Moda, Modelista, Produção de Moda, Make e Hair para Eventos e Festas e pós-graduação emCriação de Imagem e Styling de Moda da unidade Lapa Faustolo; e alunos de Fotografia de Moda, Beleza e Retrato, da unidade Lapa Scipião; além de docentes e funcionários de outras unidades da capital paulista.

Além de debater questões do mercado da moda mundial, o Corpo e Moda promoveu a integração de diferentes áreas de ensino que se correlacionam. “O projeto foi uma oportunidade muito boa para acrescentarmos esse conteúdo em sala de aula”, diz José Guilherme Diniz, docente da unidade Lapa Faustolo.

Fonte: SENAC SP

2º Prêmio Catarinense de Moda inclusiva, no Centro de Eventos da FIESC, em Florianópolis

Estamos anunciando os resultados do 2º Prêmio de Moda Inclusiva, que reuniu um público de mais de quinhentas pessoas, e ainda 120 profissionais, entre modelos, estilistas, maquiadores e cabelereiros,  de várias cidades e regiões do estado de Santa Catarina, numa noite emocionante e mágica, onde jovens estilistas e modelos muito especiais, foram muito além dos seus limites físicos, mostrando que é possível, também, através da Moda, a superação dos limites impostos pela deficiência. Desfilaram e encantaram, crianças, jovens e até  modelos adultos, que deram uma lição de vida registrada pelas pessoas dita “normais”,  que vieram prestigiar,  assistir, se emocionar e aplaudir o evento.

1º Colocado: Diego Sauer  ( Jaraguá do Sul ) – FAMEG/Faculdade Metropolitana de Guaramirim;

2º Colocado: Emmanuel Figueiredo  ( Morro da Fumaça ) – SENAI –  Criciúma;

3º Colocados Julia Coelho e Samuel Rocha ( Florianópolis ) – Julia (UFSC, UNIASELVI e SENAC/Florianópolis) Samuel (UNIVALI – Balneário);

4º Colocado: Cezar Felipe ( Brusque ) – SENAC –  Brusque ;

5º Colocado:  Carla Feder ( Guaramirim )  –  SENAI – Jaraguá do Sul;

 * PRÊMIO CADEIRA MOTORIZADA: Modelo Daniela Tomaz (Florianópolis );

Estilista DIEGO LUIS SAUER, que levou o 1º LUGAR nesta edição do  Prêmio Catarinense de Moda Inclusiva, ele que é um dos representantes da cidade de Jaraguá do Sul,aluno de Moda da FAMEG, Faculdade Metropolitana de Guaramirim.

Estilista EMMANUEL PEREIRA , que conquistou o 2º LUGAR nesta edição do Prêmio Catarinense de Moda Inclusiva, representante da cidade de Morro da Fumaça, no Sul do estado, ele que é Aluno de Moda do SENAI de Criciúma.

Estilistas JULIA COELHO, cursando a UFSC(Libras) e UNIASELVI (Artes Visuais) e formada em Costura e Desenho de Moda pelo SENAC Florianópolis,  e SAMUEL ROCHA, aluno de Moda da UNIVALI, de Balneário  que dividiram o 3º LUGAR nesta edição do Prêmio de Moda Inclusiva, representantes da cidade de Florianópolis.

O Estilista CEZAR FELIPE,  que levou o 4º LUGAR  nesta edição do Prêmio de Moda Inclusiva, representantes do SENAC, da cidade de Brusque.

A Estilista CARLA FEDER,  que conquistou o 5º LUGAR desta edição do Prêmio de Moda Inclusiva, representa a cidade de Guaramirim, ela que é Professora  do SENAI de Jaraguá do Sul.

Fonte: Lado B Moda Inclusiva

Lado B Moda lança os primeiros manequins inclusivos do Brasil

Em comemoração ao dia 03 de Dezembro – Dia Internacional da Pessoa com Deficiência, a Lado B Moda Inclusiva lança a Campanha: “O LADO B DA MODA” através do desenvolvimento do projeto dos primeiros Manequins Inclusivos, vestindo roupas adaptadas do Brasil.

Segundo a empresária e idealizadora do projeto, Dariene Rodrigues, o objetivo da campanha é despertar a atenção das pessoas para a diversidade e a beleza dos corpos, vistas em todas as formas, tamanhos e limitações, deixando de lado a segregação para a inclusão na área da moda.

O projeto só foi possível, graças a importante colaboração da conceituada empresa Expor Manequins, líder no mercado sul americano. Marcos Andrade, diretor de marketing da empresa comenta que ficou muito feliz quando recebeu a proposta da Lado B para o desenvolvimento dos manequins.

Foram desenvolvidos cinco manequins, dentre eles masculinos e femininos com deficiência física, fazendo uso de órteses e próteses, além de manequim com nanismo e outro representando o deficiente visual.

Outro objetivo da campanha é chamar a atenção de empresas do ramo de confecção para este novo modelo de negócio, com um grande potencial de consumo interno. O comércio da moda tem muito o que ganhar ao oferecer roupas com o conceito inclusivo. Só no Brasil, são 45,6 milhões de pessoas com algum tipo de deficiência, o que representa 23.9% da população, segundo dados do IBGE de 2010.

Os “Manequins Inclusivos Lado B” também serão utilizados em eventos de moda (exposições e wokshops), além da apresentação das peças de roupas da própria marca.

A campanha: “O LADO B DA MODA” pode ser vista através do canal da marca no youtube:

https://www.youtube.com/watch?v=yYvWiO19rEc&feature=youtu.be

Ficha técnica:

Criação do projeto: Lado B Moda Inclusiva

Manequins: Expor Manequins

Fotografias: Agência Kica de Castro

Filmagem: Kekkon Produções

Revisão Geral: Jéssica Furquim

Maquiagem: André Lima

Modelos e Atletas Paralímpicos: Marinalva Almeida e Bruno Landgraf

Modelo cadeirante e Miss Brasil 2015: Caroline Marques

Participações: Marcos Andrade (Diretor de Marketing da Expor Manequins) e Neide Landgraf das Neves (mãe e cuidadora de Bruno Landgraf).

Fonte: Lado B Moda Inclusiva