Bebês com síndrome de Down posam para calendário beneficente

Esse ensaio fotográfico irá te emocionar. As lindas bebês Eliza e Jorja posaram para uma sessão cujo objetivo é conscientizar as pessoas sobre a síndrome de Down. O projeto foi organizado por parteiras que também participam das imagens.

Segundo o site “Minha Vida”, a síndrome é uma condição cromossômica causada por um cromossomo extra no par 21.

Crianças e jovens com síndrome têm características físicas semelhantes e estão sujeitos a algumas doenças. Embora apresentem deficiências intelectuais e de aprendizado, são pessoas com personalidade única, que estabelecem boa comunicação e também são sensíveis e interessantes.

As fotos abaixo foram transformadas em um calendário. Para comprar e ajudar a Associação de Síndrome de Down.

image

Fonte: Catraca Livre

e1998818-9f03-463b-b681-5097aba31e17

Twitter ganha recurso de descrição de imagens para auxiliar pessoas com deficiência visual

Você já deve ter topado com a campanha “Para Cego Ver” em alguma das suas redes sociais. Ela consiste basicamente no uso da descrição textual de fotografias a fim de garantir que pessoas com deficiência visual possam “ver” a imagem por meio de sistemas de leitura presentes em seus computadores e dispositivos mobile. Desde ontem (29), o Twitter adiciona uma função nativa para descrição de imagens nas versões de iOS e Android de seu aplicativo.

Com a novidade, todas as imagens postadas nas redes sociais podem ser acompanhas de um texto de até 420 caracteres para descrever uma foto, além dos 140 caracteres do tweet em si. Basicamente, o que o Twitter fez foi adicionar a função “texto alternativo” às fotos postadas nas redes sociais, algo já presente em sites e blogs de notícias — o texto que aparece quando você mantém o cursor do mouse parado sobre uma imagem.

Para usar este recurso, você precisa apenas adicionar uma foto e tocar sobre o botão “Adicionar descrição”. Então, basta descrever o que é visto na imagem e pronto, continue a postagem normalmente. O Twitter anunciou ainda que a nova função de acessibilidade foi estendida também aos Twitter Cards e a API REST.

“Nós estamos empolgados por dar a nossos usuários o poder de tornar as imagens do Twitter acessíveis à maior audiência possível, assim qualquer pessoa pode ser incluída na conversa e também experienciar os grandes momentos”, escreveu o engenheiro de software do Twitter Todd Kloots no blog oficial da companhia.

Fonte: CanalTech

 

ladob-megaflex

Esta técnica deixará sua pele muito melhor e mais jovem e não gastará nada com isso!

Não precisa você gastar dinheiro com caríssimos cremes anti-idade!

Existem tratamentos econômicos e muito mais poderosos, como o que vamos ensinar neste post.

Trata-se de uma poderosa técnica antienvelhecimento que combate rugas e melhora o contorno facial, deixando o rosto com uma expressão muito mais viva.

Yuko Tanaka é especialista em massagem facial e já publicou vários livros a respeito.

Foi ela quem criou a massagem que você vai aprender agora.

E garante que aqueles que fizerem a massagem criada por ela, todos os dias, terão de volta a juventude de dez anos atrás.

Será mesmo?

Quem já fez a massagem diz que seus efeitos são realmente surpreendentes.

E não demoram a aparecer: já após a primeira massagem, você terá uma ideia clara do poder dela.

Em duas semanas, você estará encantada com os resultados: menos rugas, eliminação da flacidez, uma pele mais viva e muito mais bonita.

Esta massagem é capaz de estimular os gânglios linfáticos.

Por isso, acelera a remoção do excesso de fluidos e toxinas do rosto.

Tanaka recomenda fazer a massagem com um creme facial adequado para a pele.

Mas você pode fazem sem creme ou pode usar azeite extravirgem de oliva ou óleo de amêndoas.

Além de combater rugas e flacidez, esta massagem é ótima para reduzir pálpebras inchadas e bolsas debaixo dos olhos.

Ele foi traduzido do japonês para o inglês, mas basta assistir com atenção para entender os movimentos.

Clique e veja o vídeo para melhor entender os movimentos.

Fonte: Blog Lado B Moda Inclusiva

 

Confira os COMBOS da Lado B Moda Inclusiva!

Dúvidas sobre o produto ou como comprar? WhatsApp: 15 98142-8580

super-desconto-ladob

Confira o melhor remédio caseiro para pés e pernas inchados

Existem várias causas para os pés e as pernas ficarem inchados.

Pode ser má circulação, ciclo menstrual, excesso de peso, dieta pouco saudável ou gravidez.

As mudanças de temperatura, a umidade e o calor também podem inchar as pernas.

A primeira coisa a fazer para se livrar do problema é cuidar da alimentação.

Limão e alho destacam-se nessa dieta anti-inchaço.

O abacaxi também é muito bom.

O chá de salsa (o mesmo que salsinha) é outro poderoso medicamento natural para pernas inchadas.

A salsa é muito rica em nutrientes, em especial as vitaminas A e C a pele, além dos minerais cálcio, enxofre, ferro, fósforo, magnésio e potássio.

Ela também é excelente para limpeza dos rins e de todo o aparelho urinário.

Além disso, tem forte ação diurética, combatendo o inchaço em todo o corpo.

É um ótimo apoio para dietas de redução de peso.

O chá de salsa por si só já é muito poderoso.

Mas você pode torná-lo ainda mais poderoso acrescentando um pedacinho de gengibre.

O gengibre também é muito eficaz no combate ao inchaço.

Há, porém, uma crença de que o gengibre aumenta a pressão.

Dessa forma, se você for hipertenso, tenha cautela ao consumir essa raiz.

Enfim, o gengibre reforça o poder do chá de salsinha, mas é opcional.

A seguir, a receita do chá:

 

INGREDIENTES

-5 raminhos de salsa com as folhas

-1 pedaço de gengibre de mais ou menos 4 cm (opcional)

-1 litro de água

MODO DE PREPARO

-Lave a salsa e o gengibre.

-Corte o gengibre e coloque para ferver em 1 litro de água.

-Quando levantar fervura deixe por mais 5 minutos.

-Depois, adicione a salsa e desligue o fogo.

-Espere 20 minutos.

-Coe e tome 3 xícaras por dia.

Importante: se estiver grávida, não consuma este chá.

Fonte: Blog Fisio Brasil

 

A Lado B moda Inclusiva oferece para você uma LINHA ORTOPÉDICA COLORIDA de produtos (andadores, bengalas e muletas). Confira os modelos e cores na nossa Loja Virtual. Dúvidas?

Whats App: 15 98142-8580

linha-ladob

Cadeira de banho dobrável

A Lado B Moda Inclusiva apresenta a sua Linha Ortopédica, com andadores, bengalas e muletas coloridas, além de cadeira de banho dobrável.

A cadeira de banho foi desenvolvida em tamanho especial para atender as pessoas com deficiência, idosos e até obesos, para melhor auxiliar na hora do banho. Dobrável, ocupa pouco espaço dentro do banheiro quando desmontada e também facilita o transporte, principalmente em viagens.

Diferenciais da cadeira de banho:

-Confeccionado em alumínio natural de 7/8 com parede de 1,2 mm, sendo somente o apoio das costas em aço de 5/8 que garantem a resistência do produto, com pintura eletrostática, revestido com espumas de fácil secagem para o conforto do usuário.

-Apoio para os braços com espumas de fácil secagem.

-Todas suas articulações são elaboradas com conexão T de ABS de alta resistência, tornando o produto resistente.

-Manoplas anatômicas macias, garantindo o conforto da pessoa auxiliadora.

-Cadeira sem rodas, com pés com altura de regulagem para garantir maior conforto ao usuário.

-Assento macio, e aberto na frente para maior conforto.

-Não enferruja tendo maior durabilidade,

-Capacidade Máxima de Peso: 120 kg

Medidas:

-Largura do Assento: 48 cm

-Profundidade do Assento: 48 cm

-Altura do Assento ao Apoio de Braço: 18 cm
-Altura Encosto Costas: 38 cm
-Altura do Assento ao Chão: 46 a 56 cm
-Altura do Chão à Manopla: 95 a 104 cm

-Largura Frontal Total Aberta: 53 cm
-Largura Lateral Total da Cadeira: 58 cm
-Largura Frontal Total Fechada: 58 cm
-Largura Lateral Total Fechada: 28 cm

Clique e confira!

Mais Informações? Whats App: 15 9 8142-8580

linha-ladob-ok

Orientações e período de inscrições do Programa Bolsa Atleta

O Comitê Paralímpico Brasileiro (CPB) anunciou ne, 28, as orientações para as inscrições do programa Bolsa Atleta. O CPB vai emitir as declarações de ranqueamento e resultados e enviá-las diretamente ao Ministério do Esporte. Portanto, atletas e clubes não precisam solicitar estes documentos ao Comitê.

De acordo com o cronograma do ME, as inscrições foram abertas de forma on-line na última quinta-feira, 24, e vão até 7 de abril. De 24 a 14 de abril, será o período de envio de documentos comprobatórios para a bolsa. Caso haja necessidade de complementação da documentação, a etapa referente será do dia 24 de abril a 23 de maio. Por fim, a publicação da lista de contemplados sairá de 7 a 10 de junho.

A relação de eventos que torna os atletas aptos a pleitearem o benefício pode ser acessada aqui. Confira a lista de documentos exigidos abaixo:

– Cópia do documento de identidade;

– Cópia do CPF;

– Declaração da entidade de prática desportiva (clube), dispensada no caso de Bolsa-Atleta na categoria Estudantil;

– Declaração da entidade nacional de administração do desporto (confederação) da respectiva modalidade;

– Declaração sobre valores recebidos como patrocínio (2016);

– Plano esportivo anual (2016).

– Apenas para a categoria Estudantil: declaração da instituição de ensino.

Outras informações

A declaração de patrocínio e o plano esportivo anual são de responsabilidade do atleta. Assim como as informações prestadas nessas declarações devem ser referentes ao ano de 2016. A entidade e o atleta devem estar atentos ao novo endereço (Setor de Indústrias Gráficas – SIG, Quadra 04, Lote 83, Ed. Capital Financial Center – Bloco C, Loja 02 – Brasília/DF) para o envio da documentação.

Fonte: Lado B Moda Inclusiva

 

Já conhece a LINHA ORTOPÉDICA COLORIDA da Lado B Moda Inclusiva?

Andadores, bengala e muletas coloridas para você ficar na moda!

linha-ladob-ok

Clientes discriminam garçom autista e restaurante dá resposta perfeita

Andy Foster, um autista de 45 anos, trabalha no Restaurante Grenache em Manchester, na Inglaterra, e recentemente se deparou com clientes que “pareciam ter um problema com ele” apesar de seu bom serviço, contou o proprietário Mike Jennings ao jornal Manchester Evening News.

Quando Jennings explicou a situação de Foster, ele ficou horrorizado ao descobrir que os seus clientes se negaram a ser atendidos pelo empregado.

“‘Qual é o problema dele?’ e ‘por que você deu esse trabalho para ele?’”, perguntaram os clientes, de acordo com uma publicação do Facebook que relata a situação.

Em defesa de Foster, Jennings e sua companheira, Karen Deveney, decidiram falar sobre o ocorrido no Facebook para avisar as pessoas sobre o que o estabelecimento realmente pensava sobre o preconceito dos clientes naquela noite.

Confira a publicação do Grenache Restaurant:

Hoje passamos o dia reconstruindo a autoestima de um dos membros da nossa equipe, depois de ele ter sido desrespeitado e discriminado por uma mesa no jantar de ontem à noite.

“Qual é o problema dele?” e “por que você deu esse trabalho para ele?”, os clientes perguntaram…

Aqui no Grenache, nós contratamos nossos funcionários com base na experiência e paixão pelo trabalho… e NÃO pela cor de sua pele, pela aparência, pela quantidade de tatuagens, pelo tamanho das roupas, pelas crenças religiosas ou por doenças. Nós não discriminamos!

Mas se você FAZ ISSO… então, por favor, não reserve uma mesa no Grenache. Você não merece nosso tempo, esforço, nem RESPEITO!”

Fonte: Pragmatismo

Já conhece a LINHA ORTOPÉDICA COLORIDA da Lado B Moda Inclusiva?

Andadores, Bengala e Muletas COLORIDAS

linha-ladob-ok

Técnicas de neuromodulação auxiliam reabilitação após AVC ou lesão medular

Um conjunto de técnicas inovadoras – que inclui exoesqueleto robótico, estimulação magnética transcraniana (EMTr) e eletroencefalograma de alta densidade (HD-EEG) – vem sendo empregado com sucesso por pesquisadores do Instituto de Medicina Física e Reabilitação (IMREA) da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (FMUSP) no tratamento de pacientes que sofreram acidente vascular cerebral (AVC) ou lesão medular.

Os resultados da pesquisa foram apresentados pela professora Linamara Rizzo Battistella no dia 28 de março, nos Estados Unidos, durante a programação da FAPESP Week Michigan-Ohio. O evento, que vai até 1º de abril, foi organizado pela FAPESP em parceria com a University of Michigan (UM) e a Ohio State University (OSU) com o objetivo de fomentar novas colaborações entre pesquisadores paulistas e norte-americanos.

Parte dos dados também foi publicada recentemente em artigo na revista Restorative Neurology and Neuroscience.

“São dois os objetivos principais do nosso grupo: identificar o potencial de recuperação motora de cada paciente e, quando este potencial tiver sido alcançado, buscar meios para que essa pessoa possa realizar as atividades do dia a dia com as adaptações necessárias, como, por exemplo, o uso de andador ou de cadeira de rodas”, explicou Battistella em entrevista à Agência FAPESP.

No atendimento de pacientes que sofreram AVC, um dos pontos principais é identificar os preditores da resposta motora – sinais captados a partir do registro da atividade elétrica do cérebro que indicam a capacidade de recuperação de movimentos de cada paciente.

Isso é feito com a associação de duas técnicas: reconhecimento do potencial evocado motor (MEP, na sigla em inglês) – teste que aplica um estimulo magnético no cérebro e avalia a resposta motora – e a medida da atividade elétrica cerebral com HD-EEG.

“O MEP identifica o que chamamos de limiar motor, uma medida objetiva da possibilidade de recuperação motora”, explicou a pesquisadora.

A abordagem neurofisiológica também inclui o uso da estimulação magnética transcraniana com finalidade diagnóstica, exame que indica quais áreas do cérebro precisam ser estimuladas e quais devem ser inibidas para induzir a neuroplasticidade e melhorar o controle motor.

Segundo Battistella, tanto a estimulação quanto a inibição cerebral são feitas com um aparelho de estimulação magnética de pulsos repetidos (EMTr), diferente do usado para mapear a atividade cerebral. O objetivo do método é promover o equilíbrio na atividade dos dois hemisférios cerebrais.

Paralelamente à avaliação neurofisiológica, são feitos testes clínicos, nos quais os pacientes devem realizar uma série de movimentos predeterminados em escalas, como, por exemplo, a de Fugl-Meyer. Ao final, de acordo com o que conseguiu cumprir, cada paciente recebe um escore.

Os dados das avaliações clínicas e neurofisiológicas são analisados estatisticamente. “Dessa forma, conseguimos determinar objetivamente qual é a condição de recuperação do hemisfério lesionado e planejar o tratamento”, disse a pesquisadora.

“Nós comparamos um grupo de pacientes submetido apenas ao programa de reabilitação convencional com outro que, além dos exercícios, recebeu a estimulação magnética para promover o equilíbrio cortical. Esse segundo grupo apresentou uma melhora sensivelmente maior. Dessa maneira, podemos afirmar que a técnica pode influenciar indiretamente os processos de neuroplasticidade e, portanto, a melhora do controle motor.

Já o exoesqueleto robótico, além de ajudar na prática da marcha ou na movimentação dos braços, também fornece aos pesquisadores medidas objetivas da performance funcional de cada paciente. Por meio de sensores distribuídos nos membros superiores e inferiores, o aparelho calcula o quanto de força o indivíduo efetivamente fez durante a realização dos movimentos. Os dados são enviados a um computador e exibidos em forma de gráfico.

“O paciente consegue visualizar a melhora em cada sessão e percebe que depende cada vez menos da ajuda do aparelho para andar ou mexer os braços. Isso serve como um estímulo positivo, melhora o desempenho e aumenta a adesão ao tratamento”, disse Battistella.

Segundo a pesquisadora, todos esses diversos métodos associados permitem reconhecer os biomarcadores de plasticidade cerebral nos pacientes com lesões encefálicas, ou seja, entender como o cérebro está funcionando após a lesão e como está ocorrendo sua reorganização.

“A neuroplasticidade é a capacidade do cérebro de se reorganizar após uma lesão, fortalecendo as redes neurais que não foram afetadas e garantindo um bom nível de funcionalidade. O bom resultado da reabilitação depende desse processo de reorganização. Nossa pretensão é, com base nos resultados dos testes, tornar o tratamento mais eficaz e reduzir o tempo de reabilitação”, explicou Battistella.

O grupo conta com a colaboração do Laboratório de Neuromodulação da Harvard Medical School, sob a liderança do professor Felipe Fregni. Um dos investigadores principais no IMREA-FMUSP é o professor Marcel Simis.

Lesão medular

Entre os casos de paraplegia e tetraplegia tratados no Hospital das Clínicas da FMUSP predominam pessoas jovens, entre 17 e 30 anos, e do sexo masculino.

“Esse grupo apresenta desde o início um prognóstico mais bem definido. A capacidade de reabilitação motora está diretamente relacionada com a gravidade e a localização da lesão. Neste caso, nosso papel é, além de identificar e desenvolver o potencial motor no limite de cada indivíduo, evitar complicações secundárias a essa condição”, disse Battistella.

Nas pessoas com deficiência devido a lesão medular, contou a pesquisadora, é comum a ocorrência de infecções urinárias, insuficiência renal, osteoporose e escaras, além de sarcopenia (perda de massa e força muscular) e deformidades articulares, que podem agravar as condições funcionais destes pacientes ao longo dos anos.

“A marcha robótica, por exemplo, pode ajudar a evitar a osteoporose, pois estimula o metabolismo ósseo. A estimulação magnética e também com corrente elétrica evita a atrofia das regiões cerebrais que deixaram de receber o estímulo motor em decorrência da lesão. Já o estímulo em outras regiões cerebrais pode oferecer ganho na função motora”, contou a pesquisadora.

Neuromodulação

Outra vertente dentro do IMREA, também em colaboração com Harvard, combina a estimulação transcraniana por corrente contínua (TDCS, na sigla em inglês) com exercícios aeróbicos para tratar de forma potencializada a dor crônica em pessoas com fibromialgia. O método também pode ser aplicado em pacientes com lesão medular incompleta com queixa de dor crônica.

“Usamos, durante a prática de exercício, um aparelho que produz estímulos elétricos bem tolerados pelo cérebro e com capacidade de controlar a dor. A corrente inibe a área que modula o fenômeno doloroso. É como se estivéssemos dando um analgésico”, contou.

Agência FAPESP

 

Combos Lado B Moda Inclusiva! Peça pelo N°!

combo1-2016

Como o acompanhante da pessoa com deficiência tem 80% de desconto na compra de passagem aérea

De acordo com informações retiradas do Portal da ANAC (Agência Nacional de Aviação Civil), todas as empresas aéreas oferecem desconto de 80% na passagem aérea de acompanhantes de passageiros com deficiência. Ou seja, o cadeirante paga 100% do valor da passagem, mas se ele precisa de um acompanhante para viajar, o acompanhante terá um desconto de até 80% de sua passagem.

 

Para conseguir este desconto, não é tão complicado assim, veja como o que se deve fazer:

 

1ª  Etapa:


– Ligue para a empresa aérea que você deseja viajar;
– Peça para fazer reserva das passagens;
– Informe-os que você é uma pessoa com deficiência e necessita do MEDIF (Formulário de Informação médica) para preencher;
– Pergunte também, para onde você deve enviar os documentos depois que forem preenchidos.

 

2ª Etapa:


– Depois que te enviarem o MEDIF (por e-mail), você deve levar o documento para um médico preencher;
-É necessário que peça um laudo do médico também, alegando que você é uma pessoa com deficiência e necessita de um acompanhante para viajar.

 

3ª Etapa:


-Com o MEDIF preenchido e com o laudo médico em mãos, envie os documentos para a sua companhia aérea;
-E por último, compre a passagem aérea.

 

Antes de comprar a passagem é recomendável que você ligue para a companhia aérea e pergunte como comprar a passagem com desconto sendo que já tem os laudos preenchidos prontos.

 

O desconto é desconhecido por muitos, mas só é efetuado se a pessoa pede, caso o acompanhante não peça, a passagem é cobrada normalmente.

 

Fonte: Lado B Moda Inclusiva / Autora: Dra. Dariene Rodrigues

Quer facilitar a prática do cateterismo e ter mais conforto e independência? Então você precisa conhecer as calças e bermudas adaptadas da Lado B Moda Inclusiva.

Conheça a nossa Loja virtual e nossos COMBOS promocionais!

combo1-2016