17 anos depois de perder as pernas, ela é modelo, atleta, bailarina e sua inspiração de hoje

Quando foi a última vez que você desistiu de algo por pensar que “não era capaz”?

Se nunca aconteceu, ótimo. Mas se isso tem acontecido com frequência, Amy Purdy é a pessoa certa para dizer que você consegue. Seja o que for, você consegue.

Desistir de um sonho não deveria ser opção

Um dia, ainda com 19 anos, Amy voltou mais cedo do trabalho achando que estava com gripe. Menos de 24 horas depois ela estava no hospital com ajuda de equipamentos e com menos de 2% de chances de vida.

Alguns dias depois os médicos diagnosticaram-a com meningite bacteriana. Amy perdeu o baço, os rins, a audição do ouvido esquerdo e as duas pernas abaixo do joelho.

“Como eu iria esquiar novamente?”, ela pensou.

Assista o vídeo com uma bela mensagem que Amy tem para todos nós.

3° Prêmio Brasil Sul de Moda Inclusiva

Estamos anunciando, que em função de necessidades de ampliar a área de atuação Prêmio de Moda Inclusiva, e a constante procura por participação de alunos e modelos de outras regiões do Brasil, abrimos, a partir de hoje, a possibilidade de inscrições, também para alunos e modelos residentes nos estados do Paraná e Rio Grande do Sul, além de Santa Catarina, e que, em função disto, este projeto, passa e se chamar 3º PRÊMIO BRASIL SUL DE MODA INCLUSIVA, ficando mantida a sua etapa final, com desfile e premiação, da edição de 2015, na cidade de Florianópolis, no dia 03 de Dezembro de 2015, em local que será anunciado.

As inscrições, que já estão abertas e vão até dia 20 de Setembro, para alunos dos três estados da região Sul do Brasil O objetivo é ampliar, ainda mais, o beneficio, de criação e produção de propostas de roupas para pessoas com deficiência, através da sensibilidade e do trabalho, principalmente, de alunos dos cursos de escolas técnicas e universidades de moda e design.

Desejamos aos estudantes Paranaenses e Gaúchos, que se juntam, agora aos catarinenses, com sua criatividade, agradecendo em nome de todos os modelos, muito especiais, pelas propostas e alternativas de roupas que promovam a acessibilidade e a autonomia, através da moda.

Fonte: 3° Prêmio Catarinense de Moda Inclusiva

Nike cria tênis com zíper especial para pessoas com deficiência

Graças a um episódio que começou há sete anos, a Nike está desenvolvendo tênis que podem ser calçados e ajustados com apenas uma mão, o que vai facilitar a vida de pessoas com mobilidade reduzida. E a empresa fez isso reinventando o zíper.

Tudo começou quando Jeff Johnson, que havia sido o primeiro funcionário da Nike, sofreu um acidente vascular cerebral e perdeu a articulação da mão direita. Mark Parker, o CEO da empresa, acionou o diretor de inovações atléticas, Tobie Hatfield, e pediu que ele desenvolvesse um calçado que pudesse ser usado pelo ex-companheiro. O resultado foi um modelo com duas tiras de velcro cruzadas que Johnson poderia usar durante sua recuperação.

O caso ficou dormente até 2012, quando Parker acionou Hatfield outra vez, desta vez para atender um garoto de 16 anos que vivia em Miami. Matthew Walzer, que teve paralisia cerebral, era fanático pela Nike e escreveu em seu blog que os tênis da marca eram melhores que os calçados ortopédicos, pois não causam bolhas por manter pernas e pés estabilizados. O problema é que ele não conseguia amarrar os próprios tênis.

Parker queria ajudar Walzer, e foi aí que Hatfield começou a trabalhar no que viria a se transformar no Flyease, a reinvenção do zíper. O diretor passou a conversar frequentemente com o garoto, que recebia protótipos e depois contava o que tinha achado do trabalho, até que chegaram ao ponto atual.

O tênis que usa o Flyease é aberto como se fosse uma laranja. Há um zíper que vai de um canto a outro e, no final, se conecta a um velcro que faz o resto do trabalho. Quando aberto, há espaço suficiente para colocar e tirar o pé sem nem mesmo encostar as mãos no tênis.

Hatfield disse à Fast Co. que a tecnologia ainda não está totalmente pronta, mas será lançado mesmo assim porque a Nike entende que do jeito que está ela já é capaz de ajudar pessoas na mesma situação de Walzer. A ideia, entretanto, não é ter uma linha só para quem tem mobilidade reduzida, tanto que o próprio executivo tem um modelo particular que ele usa para correr, e que acelera sua passagem pela área de segurança dos aeroportos (onde é preciso ficar descalço).

Fonte: Olhar Digital

Veteranos de guerra amputados posam sem roupa para ensaio fotográfico

O fotógrafo norte-americano Michael Stokes criou um projeto inovador para mostrar a beleza de homens e mulheres que foram à guerra. Para isso, ele pediu aos veteranos amputados que tirassem sua roupa e mostrassem seus corpos nus.

O projeto foi iniciado em 2012, quando o fotógrafo registrou Alex Minsky, um soldado da marinha americana que teve uma perna amputada ao passar com seu caminhão sobre uma bomba no Afeganistão.

“Quis fazer uma abordagem cuidadosa. Eu era um fotógrafo que trabalhava com elementos eróticos e quis fazer o mesmo com Alex, mas não quis que ele ficasse embaraçado. Ele foi forte, sólido e então, pensei em fotografá-lo como se não fosse um amputado”, contou Michael ao site “Daily Mail“.

Após registrar outros soldados, o fotógrafo reuniu o resultado de seu trabalho em um livro, chamado “Bare Strenght“.

Fonte: Catraca Livre

Bebê com síndrome de Down vira modelo após sucesso no Instagram

Pessoas com deficiência (PcD) dificilmente são vistas em campanhas publicitárias. Porém, com com apenas 11 meses de idade, o pequeno Micah Quinones já está quebrando esteriótipos. Isto porque o bebêzinho já faz parte de uma agência de modelos, graças à sua fotogenia e claro, seu sucesso no Instagram.

Filho da modelo Amanda Booth e de seu marido super sexy  Mike Quinones, o garotinho já mostrou que leva jeito com as câmeras. Prova disso são seus 7,200 seguidores no Instagram através da conta @lifewithmicah.

De acordo com a mamãe orgulhosa, as pessoas sempre dizem que Micah é igualzinho a ela. Fotogênico e cheio de alegria. Devido a essas e outras qualidades, os pais se divertem com o filho postando fotos divertidas nas redes sociais.

Hoje, Micah está agenciado na mesma agência de sua mãe, que vem construindo uma carreira promissora no mundo da moda. Recentemente, ela chegou a gravar um comercial da Lancome com ninguém menos que Julia Roberts. Será que o pequeno vai dar a mesma sorte que a mãe?

De acordo com Amanda para o DailyMail, ela só descobriu que o pequeno tinha síndrome de Down três meses após o nascimento. Isto porque os exames pré natal não apontaram a possibilidade da síndrome.

Ele é uma gracinha ou não é?

Fonte: Vila Mulher

Garota com síndrome de Down realiza sonho de ser modelo profissional

Madeline Stuart acaba de realizar o sonho da maioria das adolescentes: ter uma chance como modelo. A garota, portadora de síndrome de Down, conseguiu seu primeiro contrato com uma marca feminina que tem como alvo mulheres de todas as formas, tamanhos e biotipos. Antes disso, porém, ela precisou emagrecer 20 kg para investir na carreira.

Madeline desafia todos os padrões de beleza do mundo da moda. No site da marca, a empresa afirma que está determinada a mostrar que o vestuário e indústria da moda não tem que ser restrita.

— Estamos ansiosos para Madeline representar a Manifesta!

Segundo o site Bored Panda, a garota decidiu perder peso para se sentir mais saudável. Madeline conseguiu eliminar os 20 kg com ajuda de sua mãe Rosanne.

Em entrevista ao site, Rosanne afirma que a garota quer mudar o jeito que as pessoas vêem a deficiência.

— Pessoas com síndrome de Down podem fazer o que quiserem, só fazê-lo em seu próprio ritmo. Dê uma chance a eles que a recompensa será maior do que suas expectativas.

Além disso, a mãe da garota diz se sente orgulho de ser mãe de Madeline.

— Eu ganhei na loteria no dia que ela nasceu.

Madeline faz sucesso nas redes sociais. A garota já conquistou mais de 44 mil seguidores em sua conta do Instagram!

A garota compartilha com seus seguidores fotos de ensaios e os presentes que ganha. Os fãs de Madeline não poupam elogios.

— Você é linda. Parece uma princesa!

Madeline realizou seu sonho de ser modelo profissional.

A garota perdeu 20 kg e agora é garota-propaganda de uma marca americana.

Madeline desafia os padrões de beleza do mundo da moda.

Fonte: R7

Lojas devem adaptar provadores para pessoas com deficiência em RO

Após a lei municipal n° 2.231/2015 ser sancionada pela prefeitura de Porto Velho os lojistas da capital de Rondônia que realizam o comércio de roupas, vestuários, indumentárias ou similares são obrigados a adaptar no mínimo um provador de roupas para melhorar a acessibilidade de pessoas com deficiência física ou de pessoas que tenham obesidade.

A lei foi apresentada no mês de junho deste ano e objetiva diminuir o índice de constrangimentos de alguns cidadãos que possuem alguma dificuldade em provadores que geralmente são pequenos e estreitos.

De acordo com o autor do projeto, o vereador Sid Orleans (PT), a lei deve garantir igualdade de oportunidades e autonomia aos determinados consumidores. A lei é direcionada para hipermercados, supermercados, atacadistas, shoppings, centros comerciais e lojas que comercializem os produtos específicos que necessitam de provadores.

Esses locais, conforme define a Lei, deverão afixar em suas dependências placas ou cartazes com a seguinte informação: “Este Estabelecimento comercial disponibiliza provadores adaptados às pessoas com deficiência física e/ou com mobilidade reduzida, conforme determina a Lei Municipal nº 2.231, de 3 de julho de 2015”.

Fonte: G1

Designer alemão desafia estereótipos

O designer alemão Sema Gedik não quis saber de modelos esguias, com mais de 1,80 m de altura, para desfilarem sua coleção ontem na passarela da Berlin Fashion Week, que apresenta esta semana as coleções primavera verão 2016 da moda alemão. Em vez disso, anões vestiram suas peças na passarela.

A coleção, batizada de Auf Augenhoehe (algo como “ao nível dos olhos”, em português), foi desfilada na Impuls_03, plataforma de desfiles de graduação de alguns designers da HTW, Faculdade de Ciência Aplicadas de Berlim.

Fonte: Correio Braziliense

Botucatu promoverá desfile do 7º Concurso de Moda Inclusiva

Botucatu está no roteiro do sétimo Concurso de Moda Inclusiva, promovido pela Secretaria Estadual dos Direitos da Pessoa com Deficiência, que no Município conta com apoio da Secretaria de Inclusão Social e Fundo Social de Solidariedade. O projeto busca estimular soluções inovadoras que possam contribuir ao bem estar, autonomia e qualidade de vida no cotidiano das pessoas com deficiência através da criação de modelos de roupas específicas para este público, priorizando sempre a praticidade, conforto, elegância e estilo.
As inscrições terminam no próximo dia 31 de julho e devem ser feitas através do site http://modainclusiva.sedpcd.sp.gov.br. Os trabalhos inscritos serão apresentados no dia 11 de agosto, às 17 horas, no Shopping Botucatu, que também será palco de um desfile com “looks” idealizados em edições passadas deste mesmo concurso. Podem participar estudantes de cursos técnicos, universitários, alunos de cursos livres em geral e profissionais que atuam no ramo da moda e costura não só do Brasil, mas de todo o mundo.
Os 20 melhores trabalhos inscritos serão apoiados com tecido da Vicunha Têxtil para a confecção das roupas e participarão do desfile final em um grande evento, marcado para o mês de novembro, na capital paulista. As três melhores colocações serão premiadas.
O Brasil possui cerca de 45 milhões de pessoas com algum tipo de deficiência ou com mobilidade reduzida. Somente no Estado de São Paulo, esse contingente ultrapassa 9 milhões. Ou seja, há um grande mercado de produtos e serviços para atender as demandas específicas desse segmento.
“Com o movimento de inserção das pessoas com deficiência nas escolas, no mercado de trabalho e na sociedade como um todo, a questão do vestuário torna-se cada vez mais relevante, podendo inclusive ser reconhecido como um nicho de mercado na medida em respeita a necessidade e a diversidade de cada um”, ressalta o secretário municipal da Inclusão Social, Paulo Malagutte.
“É um privilégio Botucatu estar neste circuito, que é uma das coisas mais inovadoras que existe voltado às pessoas com deficiência. Estimular a criação de peças de vestuário que se adaptem à realidade deste público é também uma oportunidade de abrir os olhos da sociedade para a importância da inclusão social. Além disso, o Fundo Social oferece cursos e oficinas de confecção de vestuário através da Escola da Moda. Por isso faz todo sentido o Fundo Social ser parceiro desse projeto”, afirma Rachel Ferronatto Cury, presidente do Fundo Social de Solidariedade.
Em Botucatu, o sétimo Concurso de Moda Inclusiva, além da Secretaria de Inclusão Social e Fundo Social de Solidariedade, conta com o apoio dos seguintes parceiros: Shopping Botucatu, Sincomercio, Senac, Sesi, Senai, Conselho Municipal da Pessoa com Deficiência, Apae, Adefib, Apape, Associação Arte e Convívio, Espaço São Micael, Faculdade de Medicina – Unesp Botucatu, Malu Ornelas, Gruta da Cuca, Lado B Moda Inclusiva (Sorocaba), e Fatec Botucatu.
Inscrições e envio dos trabalhos:
No site http://modainclusiva.sedpcd.sp.gov.br os interessados poderão encontrar todas as informações necessárias para participar do concurso. Feita a inscrição, o participante receberá via e-mail um número, que o identificará ao longo do concurso e que lhe dá o direito de propor até três croquis de roupas diferentes.
Após inscrito, o participante deverá enviar seu(s) trabalho(s), em uma só remessa, até a data do encerramento das inscrições para “VII Concurso Moda Inclusiva” – Secretaria de Estado dos Direitos da Pessoa com Deficiência, cujo endereço é Rua Auro Soares de Moura Andrade, 564 – Portão 10, CEP 01156-001 – Barra Funda – São Paulo/SP.
Após inscrição os trabalhos serão analisados por uma Comissão Julgadora através dos seguintes critérios: (1) adequação ao tema; (2) pesquisa, desenvolvimento e inovação; (3) criatividade; (4) estilo e linguagem de moda; e (5) ficha técnica. Todos os 20 trabalhos escolhidos pela Comissão Julgadora receberão da SEDPcD um diploma de menção honrosa pela participação no concurso. Os três primeiros colocados receberão, pelo menos, a seguinte premiação:
Premiação
3º colocado:
– 50 (cinquenta) metros de tecido da Vicunha Têxtil
– Presente Ciça & Renata Bijoux
– 1 (uma) Bolsa Carolina Cury
– Convite de acesso ao evento Pense Moda
– 1 (um) Kit ADCOS
– 1 (um) Book de tendências da empresa Audaces
2º colocado:
– 80 (oitenta) metros de tecido da Vicunha Têxtil
– Presente Ciça & Renata Bijoux
– 1 (uma) Bolsa Carolina Cury
– Convite de acesso ao evento Pense Moda
– 1 (um) Kit ADCOS
– 1 (um) Software Audaces Idea, juntamente com treinamento (EAD) da Audades
1º colocado:
– Estágio remunerado ou contrato temporário de emprego de um mês na Vicunha Têxtil
– 150 (cento e cinquenta) metros de tecido da Vicunha Têxtil
– 1 (um) software de Audaces ideia, juntamente com treinamento (EAD) da Audades
– Presente Ciça & Renata Bijoux
– 1 (uma) Bolsa Carolina Cury
– Convite de acesso ao evento Pense Moda
– 1 (um) Kit ADCOS

Fonte: Prefeitura Municipal de Botucatu

Blogueira celebra a diversidade com fotos de mulheres plus size de biquíni

Por mais que as revistas de moda e as passarelas queiram impor um tipo único de beleza, a maiorias das mulheres não possuem o corpo magro e longilíneo de Gisele Bündchen ou Alessandra Ambrósio. A americana Corissa, autora do blog  Fat Girl Flow não faz parte do suposto padrão de beleza ao qual muitas são induzidas a seguir e não está nem aí para isso.

Contrariando quem pensa que gordinhas não possuem opções para se vestir bem, a blogueira publica fotos de diversos looks cheios de estilo. E o serviço é completo, pois ela ainda ensina como combinar tudo com acessórios, a maneira ideal de usar e dá dicas de onde comprar as peças que veste.

Para celebrar a diversidade da beleza e chamar atenção para o fato de que, mesmo no segmento plus size há diferentes tipos de corpos, ela publicou fotos de mulheres de biquíni.